Rondônia em Ação

Ponte é liberada parcialmente com restrição a cargas pesadas

Só será permitido sobre a ponte o tráfego de veículos com até 10 toneladas.

A administração municipal não resistiu à cobrança popular e liberou parcialmente a ponte de madeira sobre o rio Boa Vista, localizada na linha 37, ao lado da estação de tratamento da Caerd, zona rural de Ouro Preto do Oeste. Por haver a necessidade de serem construídas bases de concreto, foi acordado que só será permitido o tráfego de veículos com até 10 toneladas.

Tratando-se de recurso do governo federal, oriundo do Fundo para Infraestrutura de Transporte e Habitação (Fitha), o município, ao constatar o fato, solicitou junto ao Departamento de Estradas de Rodagem (DER) de Rondônia a autorização para a construção dessas bases.

As estacas de madeira, que literalmente sustentam o peso da ponte, deveriam ser fixadas com no mínimo três metros de profundidade. Porém, devido ao solo rochoso, e o método de construção ser com bate-estaca, algumas delas alcançaram a profundidade de apenas 40 centímetros, tendo com isso havido a necessidade de construção de blocos de concreto, também conhecidos por bases.

Só será permitido sobre a ponte o tráfego de veículos com até 10 toneladas (Foto: Gazeta Central)
Só será permitido sobre a ponte o tráfego de veículos com até 10 toneladas (Foto: Gazeta Central)

A cobrança da população para que a travessia nesta ponte fosse liberada, tendo em vista que o local estava intransitável há aproximadamente nove meses, fez com que o prefeito Vagno Panisoly (PSDC) autorizasse a passagem, liberando-a parcialmente, aguardando somente a autorização do DER para construção das bases.

Foi informado que serão afixadas placas alertando quanto ao peso que a ponte suporta. Porém, não haverá nenhuma fiscalização e, caso um motorista desavisado ou desatento tente atravessá-la com um veículo acima de 10 toneladas, o pior poderá acontecer.

Também foi explicado que no projeto não estava especificada a construção dos blocos de concreto, e só foi possível detectar esta necessidade durante a execução da obra ao se depararem com a impossibilidade da fixação das lascas no solo rochoso.

Relataram que, assim que for liberado o tráfego nessa obra, terá início o aterramento das cabeceiras da ponte localizada na vicinal 8, entre a linha 37 e o travessão do Japonês. Para tanto, aquela via será interditada até que sejam concluídos os serviços.