Fraternidade sem Fronteiras: programa humanitário é exemplo a ser seguido, diz Claudia Moura

rondoniaemacao.com.br 11/06/2018 14:14:31
SDpC1E3SUC43
Foto Produção




(11/06/2018) - Ao participar, na sede da OAB, no final de semana, em Porto Velho, de evento que divulgou a organização não governamental “Fraternidade Sem Fronteiras”, a jornalista e professora universitária, Claudia Moura, destacou a importância do trabalho humanitário desenvolvido pela entidade no Brasil, em países africanos, e refugiados Venezuela concentrados em Roraima.


Convidada a participar do evento Cláudia - que é defensora das causas sociais - elogiou a iniciativa dos voluntários da instituição e se colocou à disposição para colaborar. Mas cobrou com veemência, da classe política, maior empenho no sentido de respaldar tais ações, o que na visão da jornalista, deveria ocorrer e com freqüência.


Em 2011, quando era Secretária Estadual de Assistência, Cláudia Moura foi a gestora que acolheu,  abrigou e encaminhou para a rede sócio-assistencial refugiados haitianos - homens, mulheres e crianças - sobreviventes do terremoto no Haiti, e  que provocou uma verdadeira catástrofe naquele país e centenas de haitianos vieram para Rondônia.



“Independente de religião, nacionalidade, situação geográfica e distância, precisamos servir às pessoas – especialmente às crianças - que precisam da nossa proteção”, destacou  Cláudia Moura, durante o evento que teve viés ecumênico, com representantes de segmentos Espírita, Evangélico e Católico.

 

Outra profissional de comunicação que apóia programa é a jornalista Renata Silva. Colaboradora e voluntária, Renata, que é assessora de Imprensa da Embrapa Rondônia, destacou a  importância de participar do projeto. Para a Jornalista quando se entra num projeto como esse é mais para ajudar a si próprio do que para ajudar outrem a considerar que não há nada mais prazeroso, na opinião dela, que  ser solidário a alguém. “Faz parte do processo do nosso engrandecimento como pessoa”, disse.

 

Tirar um pouco do nosso tempo para servir é, na visão de Renata Silva,  a busca do preenchimento de um vazio que existe na gente que termina por ser preenchido ao ver pessoas necessitadas serem acolhidas. “É esse amor puro que move a gente”, disse a comunicóloga.

 

 

Participaram do evento alem de representantes religiosos, o fundador e presidente da FSF, Wagner Moura que discorreu sobre fraternidade, trabalho humanitário que acolhe mais de 13 mil crianças na África e no Brasil.

 



​A Fraternidade sem Fronteiras - números​

 

​​A Fraternidade sem Fronteiras foi fundada em Campo Grande, Mato Grosso Do Sul, em 2009. Desde então, com a união e esforço de muitos. Confira os números de atendimentos da ONG humanitária em seus projetos:

 

• 253 mil refeições por mês

• 484 jovens na escola

• 270 trabalhadores diretos

• 162 idosos amparados

• 35 casas construídas

• 10 poços artesianos

• 1 padaria implantada

• 240 caravaneiros sem fronteiras

• 27 centros de acolhimentos

• 12 mil crianças acolhidas

 

 Fonte: Assessoria


Reportagem: Valdir Alves Gallo

Postagens Semelhantes